E no final do dia...

 

 

Tudo dói, todos os bocadinhos do nosso corpo, sentimos os nossos pés arrastarem-se; não andamos, mesmo, arrastamo-nos, sim.

Os dois; mas os 4 tão felizes: porque eles são felizes e nós também, porque vemos quando eles olham para nós e fazem aqueles sorrisos, porque sabemos que quando nos chamam o que querem dizer, porque os conhecemos, porque são nossos.

Não podemos parar, nunca. Vocês sabem. E este fim de tarde foi óptimo, apesar de nos arrastarmos, estivemos com eles, em família, calmos.

Para mim o silêncio é ouro; sempre foi, e nos dias que correm ainda mais. Gosto de agitação, gosto de barulho mas não gosto de encher um momento porque sim. E os miúdos obrigam-nos a isso, porque ainda não sabem aproveitar o silêncio.

O silêncio de estarmos sozinhos e estarmos bem. E é assim que me sinto, que nos sentimos, hoje, nestes dias. Apesar do regresso às nossas rotinas e ao nosso espaço ter tido o seu embate em relação ao ZM e a todos os que não sabiam, estamos bem, estamos calmos e sabemos o que queremos.











 







 

3 comentários:

  1. Que ternura! Momentos desses são tão bons de recordar!:)

    ResponderEliminar
  2. Qtos aos menos bons esses não se esquecem mas as coisas boas prevalecem....beijo grande

    ResponderEliminar
  3. Dizer que se percebe totalmente é como explicar.a cor azul a um cego: tem de se passar por isso para percebee.
    No entanto a simpatia que se sente por si e a sua familia fazem-nos, leitores, querer perceber muito e saber dizer as palavras certas.
    alguns de nos conseguimos, outros nao. Mas pode retirar disto que ha muitas pessoas q, vos cinhecerem,

    ResponderEliminar