Fotografia e Pintura

Há pessoas que me perguntam se tirei algum curso de fotografia. Nunca fiz nenhum, que seja "contabilizavel" ou com direito a diploma. Comecei a saber de fotografia ainda no secundário, os princípio base através da técnica pinhole, mais tarde a fazer alguns fotogramas, e durante a faculdade, ainda fiz uns bons semestres de toda a teoria da fotografia, revelação, etc. Era o que mais gozo nos dava: chegar o mais cedo possível à faculdade para termos acesso aos fotómetros e a mais espaço nas câmaras escuras. Sim, era um entusiasmo! No entanto, sentia que a dedicação que me era exigida na cadeira de fotografia entrava em confronto com a de pintura. No fundo, duas paixões, duas cadeiras. Mas a de pintura era a paixão, por mais entusiasmante que fosse a fotografia (e que vim a descobrir agora o quão apaixonante pode ser), precisava dos pincéis, das horas de experimentação... do fazer e refazer, da rapidez dos processos, da lentidão a chegar aos resultados. As duas são idênticas, descubro, e se complementam. E é por isso que vou continuar a fotografar, com muita luz, com resultados limpos e claros.

É isto que procuro na fotografia: clareza e verdade. A pintura é um sem fim de mixed feelings, é o maior espelho do caos que posso ter em mim, ou do que mais atormenta; ou também da paz que sinto e do que descubro. A forma como gosto de fotografar mostra quem sou e quem quero ser, puxa o meu lado melhor, é o mais controlável que conheço e mais exacto. A pintura é um confronto constante entre o mais rebuscado e pouco esclarecido do que sei que sou.

Não deixarei de pintar: hoje mesmo já organizei o atelier e vou voltar rapidamente a todos os processos que puxam por mim. Amanhã é dia de comprar mais material. O que vou fazer? está tudo aqui, na minha cabeça.

 

1 comentário:

  1. Revejo-me tanto nos dois processos....para quando uma exposição? Também sou "viciada" em pintura, pincéis e tintas :) beijoca e boas pinturas

    ResponderEliminar