A última cesariana

Estamos a poucas semanas da Gracinha nascer. Alguma ansiedade, ou muita mesmo, sobre o hospital e o internamento e uma série de outros pormenores.

A Leonor nasceu em St. Maria, de parto normal, uma experiência que me deixou a pensar que não voltaria para lá. A falta de privacidade, algum abandono, a presença constante de estudantes, alguma falta de sensibilidade do pessoal médico. Acredito que haja experiências optimas, como em tudo, mas a minha foi horrível.

A partir daí seguimos sempre para o privado, com o médico em quem confiamos, com tempo e espaço para a família, com apoio durante a noite, o que se revelou imprescindivel, uma vez que o Xavier teve que nascer de cesariana urgente e o Sebastião as 41 semanas não queria nascer, e como já não podia induzir, nasceu também de cesariana.

Foi sempre um esforço grande para poder ter os rapazes no privado, mas nunca nos arrependemos. Fomos para todos os partos com a esperança que fosse um parto normal, e não tivemos essa sorte. Temos um seguro muito bom em imensos aspectos, e infelizmente fraco no parto. Ponderamos mudar mas os períodos de carência eram absolutamente pouco condizentes com o intervalo de partos que gostavamos de ter.

Sempre soube que a Gracinha estava condenada a mais uma cesariana. Em Portugal ninguém arrisca um parto normal depois de duas cesarianas, principalmente porque a última tem a diferença de 21 meses certos. E eu também não poderia arriscar. Sabemos que é cesariana certa, e de preferência, segundo a minha querida médica, ás 38 semanas.

Mas para as nossas contas pouco interessa o que pensa a minha médica. Por ser tão certo a cesariana custa-nos de novo o pé de meia e o rombo que é. Tenho consulta em St. Maria, que é o meu hospital de residência, e estou a tentar encher-me de confiança.

Ando todos os dias a fazer listas de prós e contras, muito para ajudar a baixar as expectativas e para me ajustar á realidade dura das 3 noites ou 4 numa enfermaria com 6 ou 8 bebés, à falta de ajuda à noite, que é tão importante na cesariana, ao refeitório e deixar o bebé sozinho no quarto para almoçar e jantar. Ás mini casas de banho no fundo do corredor; ao horário de visitas tão apertado, (eu adoro visitas, contrariamente à maioria das mães), and so on...

Quem quiser e tiver paciência que me conte tudo sobre cesarianas em st, maria, de preferência electivas, quando, como e como correu...


10 comentários:

  1. Tens uma ajuda no Santa Maria. Procura pela Dra Ana Costa (Ana Otilia dos tempos de Doroteias) era do nosso ano :) sempre é uma ajuda

    ResponderEliminar
  2. Olá! Sigo o teu blog ha algum tempo, adoro ler o que escreves! És uma força da natureza e acredito que uma inspiração p muitas mulheres. E és tão nova!! Nunca comentei, mas como me senti tão solidária com o teu texto resolvi partilhar a minha experiência. Tive a minha filha há 12 anos, também uma Leonor, de cesariana no público. Não no Santa Maria mas no Garcia de Horta. Correu tudo tão mas tão bem, que guardo até hoje com muito carinho os dias que la estive. Acredita que desta vez tudo pode correr melhor, mesmo! Eu tivera sorte de ter enfermeiras maravilhosas, numacaltura que o hospital abarrotava de mães! Fiz amizade com a mãe que estava na cama ao lado e ajudavamo-nos com os bebes cada vez que uma tinha que sair do quarto. Claro que a questão da privacidade, das visitas é um facto, mas passa tudo depressas... Desejo que tudo corra muito bem! Agora é sempre. Um beijinho, Susana

    ResponderEliminar
  3. Querida Catarina, conheço o Santa Maria "do outro lado" (enquanto estudante) e partilho contigo a sensação de falta de privacidade e alguma sensação de "abandono" / falta de apoio e sensibilidade para com as recém-mamãs. E, quando engravidei, sempre fui firme na decisão que o meu filho não nasceria lá e optei por outra solução. No entanto percebo que o privado, na ausência de um bom seguro, se pode tornar um rombo enorme num orçamento familiar. Mas queria dizer-te que vai tudo correr bem! E apesar desta certeza, lembra-te (quando a coragem te começar a faltar) que, se alguma coisa se complicar, terás os melhores cuidados de neonatalogia. E que aqueles 3 ou 4 dias passaram e logo estará no teu ninho com a tua maravilhosa família.
    Vai tudo correr bem!
    E aguardamos com carinho a tua Amazing Grace! *

    ResponderEliminar
  4. Olá Catarina, pode ajudá-la colocar estas dúvidas na página da fb da Rede Portuguesa de Doulas e no grupo de fb "Vai ter uma doula, tenha um bebé também" :)

    Abraço amoroso *
    Catarina Gaspar

    ResponderEliminar
  5. Eu tive 2 partos em Santa Maria,um há 13 anos a fórceps em que foi tudo horrível e um maravilhoso há quase 3 anos em que tudo correu bem.
    Na minha opiniao e o que fez toda a diferença, foi a minha exigência para com todo o processo, ao contrário da primeira vez em que tinha 23 anos e fiquei á "mercê" dos entendidos. Desta última vez aos 33 anos já nao foi assim e correu lindamente. Muita força :)

    ResponderEliminar
  6. Querida Catarina, não sei se ajuda mas pode escolher ter a Gracinha em qualquer hospital público, não tem de ser o da área de residência. Seja onde for, espero que corra tudo bem. Um beijinho

    Joana

    ResponderEliminar
  7. Catarina, o Santa Maria é um dos melhores hospitais do país, com todas especialidades, meios técnicos e melhores médicos. Pensa que se alguma correr menos bem, e esperamos sempre que não mas pode acontecer, estás no melhor sitio para todos os cuidados necessários e a custo zero. As condiçoēs dos quartos, wc, etc não são 'de hotel', mas as enfermeiras são muito atenciosas... e 3/4 dias passa rápido :) que tudo corra bem! Um beijinho

    ResponderEliminar
  8. Olá Catarina, o meu nome é Sofia. Estive no HSM e fiz cesariana, há dois anos atrás. Ainda que sendo a minha primeira cesariana, também pesámos os prós e os contras do público VS privado. Acabámos no HSM porque o D. foi até as 41 semanas e queríamos dar todas as hipóteses para um parto natural. Porque, segundo o médico particular que me seguia, se fosse no privado nascia mais cedo, e a cesariana era quase certa. Depois descobriu-se que ele estava com a cabeça torta, enfim.
    Tive uma óptima experiência, cuidados extremos das enfermeiras incansáveis, médica fantástica que por acaso calhou ser mulher de um amigo meu (sorte!). Tive a sorte de ele nascer num sábado de madrugada, por isso os primeiros dias foram calmos, no fim de semana não há alunos nem professores. (Hoje em dia entregam um papel à entrada onde pode escolher ser observada ou não pelos alunos, não sei se na altura em que lá esteve era assim. Se escolher não, ninguém a incomoda).
    Mas não fiquei numa sala com 8 mães e bebés. No HSM separam as mães por salas conforme o tipo de parto, e nas cesarianas somos no máximo 4, no meu caso, fomos sempre 3. Tive sorte também com as outras mães, impecáveis, combinávamos ir uma de cada vez ao refeitório e WC enquanto a outra ficava a tomar conta dos bebés. Correu tudo bem.
    Sim, saí de lá cansada, super inchada, com barriga de 7 meses, mas a culpa foi do meu corpo e de uma mãe que por lá passou que ressonou como um homem grande durante duas noites, que me impediu de descansar como devia.
    Mas como experiência de hospital, não tenho mesmo razão de queixa, e achei que as condições que nos davam eram óptimas para um hospital público.
    A única coisa que me fez falta foi o meu marido, que apesar de lá poder ficar mais horas do que as visitas, sabia a pouco. Mas por outro lado foram momentos com o D. inesquecíveis e só nossos.
    Espero que a minha experiência ajude a ficar tranquila, e que corra tudo bem com este parto! Se tiver mais alguma dúvida, diga!
    Um beijinho
    Sofia

    ResponderEliminar
  9. Olá Catarina! Acabei de passar por uma cesariana inesperada...o rapaz sentou-se nas últimas semanas :) tive no hospital garcia de orta em almada e recomendo muito! O bloco de partos é espetacular e a equipa é muito profissional, assim como o internamento. Trazem-nos as refeições ao quarto, as enfermeiras e auxiliares são incansáveis, adorámos os pediatras que observam diariamente os pequeninos...enfim, uma experiência muito positiva e tranquila, que é o que se quer nesta fase :) o serviço de neonatologia, que esperamos sempre nao ser necessário, é dos melhores do país! Espero ajudar e boas vibrações para esse lado! Um beijinho, Cláudia

    ResponderEliminar
  10. Olá Catarina! Acabei de passar por uma cesariana inesperada...o rapaz sentou-se nas últimas semanas :) tive no hospital garcia de orta em almada e recomendo muito! O bloco de partos é espetacular e a equipa é muito profissional, assim como o internamento. Trazem-nos as refeições ao quarto, as enfermeiras e auxiliares são incansáveis, adorámos os pediatras que observam diariamente os pequeninos...enfim, uma experiência muito positiva e tranquila, que é o que se quer nesta fase :) o serviço de neonatologia, que esperamos sempre nao ser necessário, é dos melhores do país! Espero ajudar e boas vibrações para esse lado! Um beijinho, Cláudia

    ResponderEliminar