Desafios

Há cinco anos atrás, a Leonor ia para a escola e eu preparava-me para receber mais um filho, que ficou comigo em casa 8 meses.

A nossa vida era óptima. às 15 horas saía de casa para ir buscar os miúdos as 16, e passar o resto da tarde, até às 18 no jardim.

Este mês o Sebastião passou  a ficar em casa. Evitar a escola durante o inverno para não trazer ainda mais virus para casa, e tentar proteger a Graça.

Nunca tinha estado nesta situação, dois bebes em casa. O Sebastião ainda não fez dois anos, e é, de longe, muito mais bebé do que era a Leonor quando nasceu o Xavier. É um santo, sim, é verdade. Não faz muitas birras, dorme bem e é um bem disposto! Brinca muito sozinho, e de vez em quando tenta "destronar" a Graça do meu colo.

Os dias passam, tento trabalhar na sesta dele (e quando ela deixa), o que é de facto, muito pouco. Duas horas úteis, talvez, em que tento também nessa altura tomar banho e almoçar.

É exigente. (Ter ajuda para tratar da casa é fundamental, e se não tivesse, provavelmente estaria ainda mais louca e cansada, e prestes a desistir de dar de mamar, ou mesmo de ter o Sebastião em casa).

Se estou a adorar estar com eles, não há dúvida. Mas as 21h00 o cansaço é tanto que não resisto a fechar os olhos. Não tenho tempo para mim, ouvir uma música, editar uma sessão, terminar alguns trabalhos, um almoço com amigas. (?)

A Graça ainda precisa de muitos cuidados, e por enquanto o único passo mais "arriscado" que faço, é levá-la de manhã a ir pôr a Leonor, tomar um café com ela e o Sebastião (se estiver bom tempo) na esplanada e dar uma volta ao parque infantil.


No meio disto tudo, tinha pensado em fingir que não reparo na roupa que ainda não serve.
Quando comecei a recuperação do Sebastião, foi tudo cedo demais. Consegui, mas neste momento sinto que a prioridade é outra. É muito cedo para voltar a correr e para dietas muito rigorosas. Mas também sinto que chegou o momento de estruturar uma dieta equilibrada, e a recuperação pós parto com a Fisioterapia mães e filhos, com quem também trabalhei durante a gravidez.

Há que ter cuidado com a diástase e preparar o meu corpo para o trabalho mais àrduo, que virá depois.


















1 comentário:

  1. O teu blog é a coisa mais querida, e ao mesmo tempo, sincera, que existe no assustador mundo das blogomães wars.
    Parabéns, e força!

    ResponderEliminar