sobre

Às vezes perguntam-me como comecei a fotografar. Respondo que comecei quando nasceu a minha primeira filha, Leonor. Compreendo agora porquê. São momentos que mudam a nossa vida, a nossa maneira de ver o mundo. A mim obrigou-me a ser mais rápida e eficaz, a despertar. A pintura nunca foi posta de parte. No entanto, o que um bebé nos exige todos os dias mandou-me de imediato deixar os pincéis em modo de descanso. A máquina fotográfica, que comprei depois de vender alguns quadros, passou a ser a minha companhia. Os minutos, as horas, os dias passam a correr quando se tem um filho. Um sorriso são segundos e pode não voltar a fazê-lo tão rápido. Tudo é novidade, uma alegria. São os melhores momentos da nossa vida. Poder revê-los sempre que quiser é a mais valia que vejo na fotografia.

Nasceu o Xavier, e sabia que a máquina que tinha nas mãos não era suficiente. Investi, e depois do investimento a vontade de fotografar outras famílias e de arriscar tornou-se importante para mim. Mais ainda que isso, a vontade de registar ainda mais aqueles dias tão bons em que a Leonor descobria o irmão e eu descobria neles dois bebés que eram os meus filhos.

Já fomos tetemãe, mas fomos crescendo e surgiu o Ties. Um projecto que saiu de mim e transparece aquilo que mais gosto: conhecer novas famílias, conhecer a sério. Poder acompanha-las e oferecer-lhes imagens que vão deixar saudades. Entrevistar mães e pais que mudaram as suas vidas para poderem estar mais próximos dos seus filhos. Eu não mudei; adaptei-me e arrisquei. É uma honra poder conhecer e estar com pessoas fantásticas como as que tenho conhecido ao longo do Projecto.

Passou-se 6 anos desde que criei este blog, em que todos os dias aqui passo para escrever sobre eles, deixar algumas fotografias e mostrar trabalho, que nunca imaginei poder ter. Obrigada a todos os que por cá passam!