NEWSLETTER

© 2017 by Ties. Proudly created by JLDesign

  • Black Facebook Icon
  • Black Pinterest Icon
  • Black Instagram Icon

//

Quando se perde um filho

February 4, 2019

 

 

Fez 6 anos em Agosto que perdi um filho. Estava grávida de 17 semanas e a história começou antes de saber que estava grávida.. na altura a Leonor tinha 3 anos e meio e o Xavier 1 ano e pouco. Eu tinha 25 anos, era uma miúda. Aquilo que vos vou relatar vem de mim, da minha experiência pessoal, sem juízos de valor. 

 

Um dia senti um caroço firme e pouco móvel perto da orelha, entre a orelha e o maxilar, para ser mais precisa. Achei estranho, esperei uma semana, e não desaparecia. Sentia-me exausta, muito cansada mesmo.

 

Na semana seguinte descobri que estava grávida, na verdade era um projecto desejado, o nosso terceiro filho.

 

Consultei algumas pessoas da área da saúde, de forma mais informal, e todas me diziam que “não era nada”. Mas as semanas passavam e continuava. Um pouco maior até.

 

Às 9 semanas de gravidez decidi ir às urgências procurar uma explicação. No hospital, por estar grávida, fui logo para a obstetrícia. O bebé estava óptimo, e suspeitaram que eu teria um quadro inflamatório para poder justificar tal “situação". Fui encaminhada no mesmo dia para otorrino, que confirmou que estava tudo bem, nem ouvidos, nem garganta, nada. Fizeram-me uma ecografia onde se confirmaram mais nódulos a desenvolverem-se em toda essa zona.

 

Vim para casa com um diagnóstico de parotidite, sem perceber o que quereria dizer, e o que implicava. Apenas sabia  que daí a 6 meses iria repetir a ecografia.

 

Às 12 semanas fiz as típicas análises. Só 3 semanas depois chegaram os resultados: toxoplasmose. Eu sabia que não era imune, pelas gravidezes anteriores. Agora estava infectada com este papão. Com alguma ingenuidade respirei fundo e achei que não ia ser nada. Afinal as estatísticas comprovavam que era pouco provável que o bebé apanhasse naquela fase da gravidez. Mas, caso apanhasse, os danos seriam muito grandes.

 

O meu médico apresentou-me opções. Disse-me que nunca iríamos saber quais as lesões do bebé e se teria alguma, até nascer, ou mesmo até ao primeiro ano. Poderia desmanchar a gravidez ou seguir sem nunca saber o que se passaria.

 

Só saberíamos se o bebé tinha sido contagiado fazendo uma amniocentese a partir das 18 semanas, altura em o bebé começa a fazer xixi para o liquido amniotico. Até lá, iria tomar os medicamentos previstos. O médico, no entanto, aconselhou a esperarmos pela amniocintese e aí decidir o que fazer.

 

Mas eu já tinha decidido: aquele bebé era meu filho, eu já o sentia, era meu. Não poderia escolher abortar, nunca conseguiria viver com isso. Eu escolhi a vida, fosse ela como fosse, viesse como viesse.

 

Ele congratulou-nos como se fossemos espectaculares- vocês são fantásticos, parabéns! [não somos, mas somos pais, e sei as marcas que deixam um aborto] e principalmente na inexistência de certezas, e da possibilidade de existir saúde na vida daquela criança.

 

Não senti orgulho nenhum na minha opção, na verdade, senti que estava a ser pouco corajosa ao escolher a vida: eu não saberia viver comigo tendo tomado essa decisão de livre vontade. Os meus valores morais nunca me deixariam escolher abortar mas na hora H eu sentia os meus impulsos humanos. E sentia o meu filho, vivo dentro de mim.

 

Não chegamos às 18 semanas, uns dias antes da consulta deixei de sentir o bebé, a barriga começou a ficar mais pequena e eu já sabia o que me iam dizer: Não havia sinal de vida.

 

Eu estava tranquila, eu sabia. Já tinha dito ao Miguel no dia em que pressenti todas as mudanças. A minha mãe quis vir connosco à consulta, eu não tive coragem de lhe contar as minhas suspeita, nem ao médico. Fechei os olhos e deixei que aqueles minutos e tentativas intermináveis à procura do coração do bebé terminassem ou me trouxessem um presente. Foi um choque enorme para todos... Quando confirmamos com a ecografia vi coisas que nunca mais me vou esquecer. Um bebé que estava óptimo há um mês, que se mexia, estava desfeito, colado a uma das paredes do útero, quase já sem líquido.

 

Esperamos uma semana e entrei em trabalho de parto espontâneo. Fui para o hospital, levei morfina para suportar as dores, e até as da alma. Na televisão passava a série “maternidade” e eu de tão drogada vi tudo, sem dramas.

 

Só nasceu à meia noite, os meus pais já se tinham ido embora e o Miguel tinha adormecido no cadeirão. Senti imensa vontade de fazer força, senti que ele ia sair, chamei a enfermeira que apenas teve tempo de segurar. Foi o único parto que senti tudo, teria sido o parto mais emocionante da minha vida. 

A enfermeira perguntou se eu queria ver e eu aflita só me lembrava da ecografia e de como deveria estar, e disse que não. Levaram-no e até hoje só tenho na minha cabeça a imagem de uma bolsa de sangue. Levaram o meu bebé e eu não sei onde ele está. 

Passado um tempo arrependi-me. Queria ter podido enterrar, ter feito um luto mais compreendido. Mas isso não era possível.

 

Nos dias seguintes, como estava de férias, voltei à praia. Não me quis esconder e sofrer sozinha, quis o abraço de todos os que estavam à minha volta, as palavras e os beijinhos que foram todos reconfortantes.

 

Alguns de vocês chegaram aqui há pouco tempo e não conheciam esta nossa história, e tenho algumas pessoas próximas de mim que já passaram ou estão a passar por um momento destes, que senti que precisava de partilhar com todos: tudo passa, nada se esquece.

 

Guardo todos os minutos desse dia e dos dias seguintes. 

 

Guardo o silêncio com que sobrevivi. Mas também guardo os gestos, os pequenos gestos de tantas pessoas.

 

Durante os meses que se seguiram custava me muito ver grávidas, bebés pequeninos. Até tive que sair da Igreja num baptizado onde estava a fotografar porque de repente vi chegar ao pé de mim 3 carrinhos com bebés à volta dos 2 meses. Saí, chorei e voltei.

Durante esse tempo não quis engravidar, por nada. 

Um dia fez-se luz, e só queria estar grávida de novo. Foi o único bebé que tive de esperar mais tempo, não conseguia engravidar à primeira como estava habituada. Levaram 4 ou 5 meses. E chegou o nosso Sebastião.

 

A maior dificuldade que senti foi a de falar. Sentia que os olhos das pessoas me julgavam quando precisava de falar, ou dizia alguma coisa sobre o assunto: “ainda? Já passaram meses, já devia ter passado” era o que eu via nos olhos dos outros. Não relativizem nunca a dor de uma mãe e de um pai. Dêem espaço para falar ou não falar. Acolham.

É difícil ser amigo, irmã ou irmão, pai ou mãe nestas situações, e muito difícil estar perto. "O tempo cura, já tens outros filhos, não és a única”.  Palavras sem intuito de magoar mas que não ajudam.

 

Do coração: estar perto e  ser amigo é difícil nestas situações, mas a vida tem coisas boas e más, a dor faz parte dos nossos dias.

 

Que a sociedade, nós todos, não gostamos de falar das coisas que doem, faz parte da sobrevivência. Mas a mim o que mais me ajudou foi falar e escrever, na altura, no blogue. Houve alguns posts que deixei de escrever com medo de parecer ridícula, face a tantos outros problemas mais graves de outras pessoas.

 

No fundo o que eu queria mesmo dizer é que não palavras para este sofrimento e para a solidão com que se atravessa estes momentos. 

Mas a vida dá a volta e traz-nos coisas boas, que não apagam, não nos deixam esquecer, mas apaziguam.  A Vida é boa.

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

NEWSLETTER

​ÚLTIMOS POST

November 12, 2019

Please reload

SOBRE NÓS

Olá, sou a Catarina! Tenho 31 anos, cresci e vivo em Lisboa, esta cidade linda que nos faz imensamente felizes.

4 filhos bons, muito bons. A primeira aos 23, e a última nascida aos 29.

LER MAIS >

  • Black Facebook Icon
  • Black Pinterest Icon
  • Black Instagram Icon

ARQUIVO

INSTAGRAM

Please reload

WORK

TRAVEL

FAMILY

LISBON GUIDE

MOTHERHOOD

KIDS

BRANDS

  • Black Facebook Icon
  • Black Pinterest Icon
  • Black Instagram Icon